segunda-feira, 21 de dezembro de 2009 - por Thiago

Estou empregado!


Muita calma nessa hora meus leitores! Eu não estou anunciando um novo emprego, como faço normalmente, mas sim a efetivação do meu emprego atual, neste longe e belo trajeto que começou lá em abril, quando fui contratado com consultor temporário.

Eu não sou, nem nunca fui, puxa-saco de ninguém. Quando a coisa tá errada, eu sou o primeiro a falar, mesmo que isso não agrade a todo mundo, mas a SGF é um lugar tão legal, mas tão legal de trabalhar, que eu não poderia estar mais feliz por poder finalmente dizer que agora eu faço parte da equipe.

A bem da verdade é que eu começo oficialmente como funcionário no dia 11 de janeiro de 2010, mas o contrato já está assinado, meu novo escritório já foi ocupado (como a foto acima está mostrando) e todas as devidas apresentações já foram feitas. Agora só o que tenho que fazer é continuar fazendo valer a confiança ganha com muito trabalho, para que a jornada por aqui seja longa e [ainda mais] próspera.

(enquanto isso, no Brasil...)

Salut!

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009 - por Thiago

O melhor presente de Natal

Mais um ano vai se indo embora, e apesar da péssima construção gramatical do começo da frase, essa época do ano nos deixa com uma sensação de magia no ar, com esse monte de luzes e cores que as cidades se enfeitam.

E acompanhando esse espírito de festividades, convido a todos vocês que estiverem aqui em Montreal para assistirem a mais uma programação de Natal da qual que estou ajudando na produção artística e musical. O programa tem o nome deste post (O melhor presente de Natal) e é feito de brasileiros para brasileiros, muito embora nem tudo seja em português, afinal temos que ser democráticos né?


Você não pode perder essa oportunidade de estar entre amigos tão legais quanto eu e o restante da trupe. Aguardo vocês lá!

Salut!

quarta-feira, 25 de novembro de 2009 - por Thiago

Vacinados!

A discussão do momento aqui no Canadá, incluindo o Quebec, é a polêmica da vacinação contra a gripe H1N1. Eu já postei aqui sobre essa polêmica, inclusive. Mas nesse tal de "melhor vacinar, melhor não vacinar", Mirian e eu tomamos a decisão de nos arriscar pela segurança, e não pela falta dela.

Desde o começo da capanha de vacinação, só alguns grupos estavam sendo priorizados devido a quantidade de vacinas disponíveis, mas a partir de ontem, o Quebec abriu as portas da vacinação a todos devido a chegada de uma grande remessa de vacinas. O estádio olímpico está sendo usado como grande centro de vacinação, e como nós moramos bem em frente, fomos um dos primeiros a se beneficiar dessa abertura da vacinação para o público.

Mirian foi a primeira a se vacinar, e quando cheguei em casa fui lá também. Como a divulgação ainda não tinha começado (só saiu nos jornais hoje) a procura estava bem baixa e coseguimos realizar todo o processo em menos de uma hora. A gente chegou lá, pegamos a senha, confirmamos nosso endereço, preenchemos um formulário médico, recebemos a vacina (que não dói nada!) e por fim ficamos aguardando lá mesmo durante 15 minutos depois de vacinado para se assegurar que nenhum efeito colateral grave tinha acontecido.

Tudo rápido e indolor, exceto pelos nossos braços esquerdos (meu e da Mirian) que acordaram hoje com um dorzinha chata no local onde foi aplicada a vacina, mas esse era um dos resultados esperados, então por enquanto tá tranqüilo.

Agora que estamos devidamente vacinados, podemos ficar mais sossegados com o invernão que está chegando, além de poder viajar mais tranqüilo. É melhor prevenir do que remediar né?

Salut!

quinta-feira, 19 de novembro de 2009 - por Thiago

Trip pra Burlington - II (Final)

Ninguém queria acordar cedo, mas o dia ia ser corrido e eu precisava sair para passear logo, então tratei de fazer bastante barulho para acordar todo mundo rapidinho, logo às 8 horas da manhã. É claro que os protestos foram unânimes, mas eu não estava nem aí! O melhor que tínhamos a fazer era colocar o pé na rua bem cedo, pra termos tempo de fazer, se não tudo, pelo menos uma boa parte do que foi perdido na véspera por conta da chuva.

Tomamos café, fizemos nosso check-out no hotel e saímos para passear no centro da cidade, já que a chuva tinha decididamente dado uma trégua para estes viajantes já quase desanimados de ver tanta água caindo do céu. Estacionamos o carro em frente a uma churrascaria brasileira, a Souzas, mas nem pensamos em comer lá só de imaginar o precinho que deve ser comer carne (bleeeeeeergh) brasileira nos Estados Unidos. Fomos direto para a rua principal de Burlington, que é toda reservada para o pedestres (tipo um calçadão) com direito a lojas, barzinhos e restaurantes. Nem preciso dizer que, àquela hora da manhã, estava tudo fechado né? Mas mesmo assim tiramos muitas fotos na prefeitura, no comércio, e nos outros lugares interessantes que haviam por ali. Até ensaiamos uma foto pulando cela igual a da escultura que tem lá, mas logo percebemos que a idéia não era muito boa, e a Mirian acabou ficando com um ralado de recordação deste momento memorável.

Saindo dali ainda fomos passear pela borda do Lake Champlain, que separa o estado de Vermont do estado de New York. A vista estava bem bonita, e poderia estar ainda melhor se o dia não estivesse ainda tão nublado. Mas mesmo assim tiramos muitas fotos do lago e do Battery Park no qual estávamos antes de irmos para as compras.

E o momento de gastar dinheiro demorou, mas chegou! Fomos fazer compras em um shopping center de Williston e depois fomos para o Essex Outlet, na cidade de Essex, próxima a Burlington. Pegamos umas boas promoções de roupas e calçados, além de alguns brinquedos para a família do Jerry e da Isa no Brasil. Isso nos rendeu a tarde inteira, ainda mais porque para onde quer que a gente fosse, tinha que mudar de cidade... ooohhhhh coisinha complicada viu?

No final do dia voltamos ao Olive Garden para garantir mais alguns minutos de prazer gastrômico ainda mais em conta que no dia anterior. O vídeo abaixo explica melhor o clima do evento.

Terminado tudo, voltamos para casa rapidinho e em segurança. Para onde será que vamos agora, hein?


Salut!

quarta-feira, 18 de novembro de 2009 - por Thiago

Trip pra Burlington - I

Esse negócio de colocar o pé na estrada tá ficando realmente muito viciante. É mesmo muito bom poder saber que existem vários destinos bons e baratos por essas bandas de cá, e com esse pensamento saímos em viagem no último final de semana.

Mirian e eu mais o nossos amigos Isa e Jerry saímos de Montreal na sexta-feira rumo a Burlington, que é a maior cidade do estado de Vermont, nos Estados Unidos. A viagem é bem tranqüila, pois além de nossa cidade de destino estar a apenas 165 quilômetros de Montreal, a fronteira pela qual cruzamos é absolutamente vazia, o que nos tomou nada menos que 10 minutos ao total, isso contando com todos os trâmites burocráticos.

No sábado de manhã fomos conhecer a Igreja Adventista de lá, que fica na verdade em uma cidade ao lado, Williston. A igrejinha é bem pequena, mas muito simpática! Ganhamos até o almoço, no melhor estilo da nossa igreja Luso-Brasileira de Montreal (tudo bem vai... o nosso almoço é muito mais gostoso...) e ainda batemos papo com o pessoal de lá, trocando experiências e fazendo novos amigos.

Saindo da igreja tínhamos o objetivo de passear pela cidade, mas a chuva estava caindo de forma persistente, e junto isso ao frio, só nos restava só dar uma passadinha de carro pelo centro e voltar ao hotel para tirar um cochilo. A verdade é que o bate papo continuou no hotel e não dormimos nada, e a noite saímos para passear.

Como bons turistas famintos que somos, fomos ao Olive Garden, que é uma rede de restaurantes italiana dos Estados Unidos. Eu ouso dizer que é o melhor restaurante dos Estados Unidos no quesito custo-benefício, pois a comida é explêndida e os preços estão longe de serem aqueles exorbitantes de qualquer um que se aventure a comer comida de verdade na América do Norte. E o melhor de tudo é que durante a refeição, a salada, a sopa e os pãezinhos possuem refils ilimitados! Imagina só o quanto comemos né?

Depois deste farto banquete, o sono foi caindo em cima do pessoal (eu incluído) e fomos para o Hotel dormir, mas antes ainda diputamos umas partidas de Uno enquanto fazíamos a disgestão. Estávamos torcendo para que o dia seguinte fosse menos chuvoso, e pudéssemos aproveitar dos encantos da cidade.

(continua...)

Salut!


quinta-feira, 29 de outubro de 2009 - por Mirian

Residente (de fato) em 8 meses

Desde o dia em que fui ao correio enviar minha papelada ao escritório de imigração até ontem, quando finalmente recebi o cartão de residente, oito meses se passaram e muita coisa mudou.

Eu sempre fui muito atenta aos detalhes e sabia que meu processo poderia se atrasar caso errasse no preenchimento de algum formulário ou deixasse de enviar algum documento importante. Percebi que todo cuidado é pouco porque mesmo assim tive um problema visto que o cadastro de endereço do Thiago estava errado e não sabíamos porque a carta estava demorando tanto pra chegar. Só com esse errinho bobo meu processo já se atrasou em algumas semanas e por isso perdi uma viagem há muito tempo planejada. Por isso apadrinhados, MUITA atenção com essas coisinhas.

A maior mudança que poderia acontecer ao mudar de status é a possibilidade de trabalhar. Aconselho aos apadrinhados que peçam uma permissão de trabalho temporária enquanto esperam pela permanente pois quem tem o caso processado no Canadá não pode dar entrada no seguro social antes de ter a carteirinha de residente mesmo já tendo passado pela entrevista. No meu caso, recebi a temporária só uns dois meses antes da permenente, mas já deu pra engordar o porquinho. Outra grande mudança é poder ter o convênio médico já que a saúde é tão cara pra quem não o tem. Ainda bem que tinha o convênio da faculdade quando machuquei o pé porque senão teria gasto uma fortuna.

Outras coisas que fazem parte da nossa liberdade depois de finalmente se tornar residente é poder, acima de tudo, sair do país e voltar sem preocupação, tirar a carteira de motorista, estudar pagando menos e outros detalhes que mudam a vida completamente.

Para quem é novo nessa história e quer saber como apadrinhar ou ser apadrinhado por alguém, não tem melhor fonte do que a oficial. Sugiro a leitura dos links apropriados do Québec e do Canadá antes mesmo de ler as dicas dos blogs já que cada caso é um caso e porque podem haver mudanças nas regras a qualquer momento.

Até que o processo foi rápido e indolor, mas dá um grande alívio saber que tenho mais liberdade à partir de agora. Fim da primeira novela, agora começo a contagem dos dias até à cidadania.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009 - por Thiago

Influzenza H1N1

O inverno está chegando por aqui, e com ele o nova onda de gripe A (a conhecida "gripe suína"). No Brasil ela passou forte durante os meses de inverno e agora o governo do Canadá (e no nosso caso em especial, do Quebec) está trabalhando de maneira ativa para que não tenhamos tantos danos quanto tivemos na primera onda da gripe durante a primavera.

Para isso, estamos começando uma campanha de vacinação por aqui, que de longe é assunto decidido entre todos. Muitas discussões estão sendo travadas sobre se deve-se ou não tomar a vacina, e eu sou um exemplo daqueles que ainda não se decidiram muito bem.

Mas o Collège des médecins du Québec (Colégio dos médicos do Quebec) está divulgando um vídeo altamente explicativo sobre a doença, e as suas formas de prevenção, incluindo aí uma extensa explicação sobre a vacina e seus efeitos.

É claro que o vídeo está completamente em francês, e se você é um potencial imigrante para o Quebec, ou mesmo um estudante da língua falada por aqui, aconselho o investimento dos quase 9 minutos de vídeo para praticar o francês e se interar dessa doença que está fazendo tantas vítimas pelo mundo afora.


Salut!

sexta-feira, 9 de outubro de 2009 - por Thiago

Google Street View em Montreal


Aumente o mapa clicando aqui

Eu gosto da maneira como a Google muda a nossa vida. Os caras inventam novidades todos os dias que nos fazem imaginar como a vida era possível antes delas. Eles são o cúmulo da revolução tecnológica, dando (pois é tudo de graça) mais e mais avanços para a comunidade mundial a cada novo dia.

Um desses avanços claros e inegáveis chama-se Google Street View, no qual você pode navegar pelo sistema do Google Maps como se estivesse dirigindo um carro pelas ruas do lugar, vendo as coisas como alguém que vive lá o vê. Essa funcionalidade iniciou-se nos Estados Unidos (claaaaaaaaaaaaaaaaro) e depois foi extendida para algumas cidades da Europa, mas nada de Canadá (e muito menos de Brasil).

Pois agora metade de nossos problemas acabaram! Foi inaugurada essa semana a primeira leva de cidades canadenses com a funcionalidade de Street View, e claro que Montreal esta entre as felizardas. O mapa aí de cima mostra a minha casinha. Vale a pena fazer um tour pelas redondezas para que se perceba como eu sou sortudo de morar onde moro.

É uma pena que a minha rua foi fotografada em algum momento entre o final do inverno e o começo da primavera, quando não tínhamos mais neve, mas também ainda não tínhamos folhas nem flores nas árvores. Tenho que confessar que essa não é a melhor época do ano para retratar a cidade, mas espero que eles façam uma pequena revisão das fotografias em breve (o que eu pessoalmente duvido) para todos poderem ver como a natureza é bonita por aqui durante o período de calor.

Aproveitem o tour virtual!

Salut!

terça-feira, 6 de outubro de 2009 - por Thiago

Carteira de motorista - consegui!

Eu ia postar sobre o assunto de qualquer maneira, mas a forma como tudo aconteceu foi tão fora do comum que o post vai até sair mais elaborado do que teria sido a princípio.

Meu exame teórico já estava marcado para 5 de outubro desde agosto, e eu tinha que ter estudado bastante para o evento, coisa que não aconteceu muito como deveria. Eu fiz o teste online no site da SAAQ (que é a agência responsável por esses assuntos no Quebec), mas eu deveria ter mesmo é estudado pelo material oficial, que chegou nas minhas mãos só na véspera do dia da prova. Enfim.

Cheguei todo feliz e contente na SAAQ ontem para fazer o meu exame teórico. A prova consiste em 64 questões (divididas em dois grupos de 16 e um grupo de 32) e dentre estas você precisa acertar 75% em cada grupo (mínima de 12 acertos nos grupos de 16 e de 24 acertos no grupo de 32). Tenho que admitir que uma estudadinha não teria feito mal a ninguém, mas a prova era realmente muito parecida com o teste online do site, e por isso eu passei com certa facilidade.

Terminada a prova, fui a guichê para marcar o meu exame prático. Qual não foi a minha surpresa quando a atendente, me diz linda e sorridente que eu poderia pegar um horário no dia seguinte ou então só em dezembro. Na hora nem tive tempo de pensar muito pois alguém poderia pegar aquela vaguinha do dia seguinte a qualquer momento, e só de pensar em fazer o teste embaixo de neve já me dava calafrios. Topei o desafio de voltar no dia seguinte.

O "dia seguinte" aqui, foi hoje. Mas antes da prova chegar tenho que deixar registrado que essa surpresa me deixou tão nervoso, mas tão nervoso, que a noite passou bem mal dormida e para piorar um pouco nada conseguia nem sequer descer pela minha preciosa traquéia. Resultado, fui trabalhar na parte da manhã e cheguei ao local do exame com sono e de barriga roncando, junto com as descargas de adrenalina no meu estômago, que davam um toque especial a cena toda.

Finalmente chegou a hora do exame, e o examinador já fez cara de poucos amigos. Fomos saindo e ele disse para eu me acalmar, que era para eu dirigir como se ele não estivesse lá. Preciso dizer que a informação nem sequer foi processada pelo meu cérebro? 20 minutos depois, após várias pequenas besteiras cometidas durante o percurso e algumas raspanças bem recebidas do examinador, ele disse que meu controle no volante é muito bom e que eu sou calmo (noooosssaaaaaaa.... imaaaagiiiinaaaaaa....) e por isso, mesmo com os percalços do exame, ele ia me dar a permissão de condutor.

A bem da verdade é que no momento eu nem conseguia me animar, tamanha era a dor na minha barriga, mas depois que a situação foi voltando ao normal, mal pude acreditar que em menos de 48 horas (na verdade 26 horas, entre o primeiro e o segundo exame) eu tinha completado todo o processo de obtenção da permissão de conduzir um automóvel do Canadá. A permissão é dada pela província (como vocês podem ver na imagem), mas ela é válida em todo o país, nos Estados Unidos, México e Europa. Nada mal né? Já dá pra passear um pouco...

Salut!

obs - esse da imagem acima não sou eu, ok?

quinta-feira, 1 de outubro de 2009 - por Thiago

Calculando a cidadania

Antes que alguém se levante da frente do computador e vá fazer outra coisa da vida pensando "esse cara nem chegou no Canadá direito, já quer falar de cidadania canadense", eu já vou tentar explicar o motivo deste post a esta altura do campeonato da maneira mais fácil e prática possível.

A cidadania canadense é extendida a todos os imigrantes que atingem um certo tempo de permanência dentro do país. Essa permanência é contada em DIAS passados dentro do Canadá, tanto na condição de imigrante quanto em qualquer outra condição (estudante, trabalhador ou mesmo turista), contudo essas outras condições são contadas de uma maneira diferente.

Quando você atinge 1095 dias (o tempo de 3 anos) dentro do Canadá, você pode entrar com o pedido de cidadania, mas como esta contagem é feita em dias você tem que levar em conta as vezes que você saiu do Canadá, quer seja pra ver a família no Brasil, quer seja pra fazer compras em New York ou qualquer outro fim. Saiu do país, os dias não contam até você voltar.

Quando você vai aplicar para a cidadania você tem que ter em mãos todas as suas saídas e entradas devidamente anotadas para não se perder na conta - e nem adianta achar que você pode burlar o esquema pulando algumas saídas, porque os caras vão conferir tudo certinho - e este trabalho todo de conferir datas pode se tornar uma enrolação depois de tanto tempo aqui cruzando a fronteira a cada feriadão.

Mas não há motivos para temer! O governo do Canadá é uma mãe (ai, que saudade da minha...) e oferece a todos os imigrantes um sistema já pronto para você ir calculando os seus dias dentro do país, considerando todas as exceções e diferenciações nos cálculos. O serviço se chama Residence Calculator, e é o seu lugar seguro para colocar todas as suas informações pertinentes a este período, com a resposta imediata de quantos dias você tem de fato por aqui e quanto falta para você poder pedir a sua cidadania.

A minha caminhada ainda está longe do fim (hoje tenho só 475 dias) mas é muito bom deixar já registrado todas as andanças que eu fiz sem me preocupar em ter que lembrar de todas elas de uma vez só quando o momento chegar, lá pra 2011...

Sugiro a todos os residentes que já se cadastrem e comecem a contar seu tempo também!

Salut!

sexta-feira, 25 de setembro de 2009 - por Mirian

Viciando em Têtes à claques

Na semana passada fomos jantar na casa da Pat e do Rafa e eles nos mostraram o site Têtes à Claques que eu achei muuuuuuuuito engraçado e recomendo pra todo mundo. Exige um certo conhecimento de "quebequense" pra entender as piadas, mas é questão de prática. Eles fazem geralmente um videozinho por semana, vale à pena dar uma olhadinha. Cuidado pra não viciar!

Agora mudando de assunto subitamente e respondendo à pergunta da Pam que queria saber se dá pra vir pro Canadá com visto de não-imigrante depois de pegar o CSQ e terminar o processo federal aqui, hmmmm, não sei! Alguém sabe? Meu processo foi feito inteirinho aqui, mas imagino que se a sua presença é necessária para o processo federal infelizmente não dá. Acho melhor escrever um e-mail pro consulado canadense em São Paulo, eles respondem super rápido ou falar com a Maura, a protetora daqueles que buscam informações escondidas sobre imigração pro Canadá.

Agora respondendo ao Luís Felipe sobre qual é a melhor prova: TEF ou TCF. Realmente não faço a menor idéia. O Thiago não fez nenhuma das duas e a entrevista dele foi em 2007, então não creio que ela seja exigida desde 2006. Eu não fiz prova nem entrevista nenhuma, quer dizer, a prova que fiz no Brasil pra vir pra UdeM foi ridiculamente fácil e a entrevista que fiz aqui na semana passada foi só pra pegar documentos, então nenhuma das duas conta. Tente descobrir se uma das duas provas vai te ajudar no futuro com alguma outra coisa que você pode vir a precisar, se não for o caso, fique com a mais fácil ou mais barata. Alguém tem idéia da resposta?

sexta-feira, 18 de setembro de 2009 - por Mirian

Residente finalmente!

Já vou avisando que este post vai ser curto, mas como é muito importante não podia ser deixado pra amanhã.

Hoje às 13:00 tive minha "entrevista" final da imigração. Sim, agora sou residente permanente canadense, depois de ter sido turista, estudante e trabalhadora, olha só isso!

Cheguei lá primeiro pra pagar a última pequena taxa de $490,00 pelo direito de residência e depois fui ao prédio da entrevista. A porta estava fechada e a galera foi chegando, chegando e a bagunça foi se formando, sem fila, sem senha.

Quando o guarda abriu a porta a galera entrou desesperada e fomos nos sentando pra esperar o esquema começar. Chegou uma tiazinha que começou a organizar o esquema e falou pra fazermos uma "fila", foi quando a galera se enlouqueceu de vez e fez uma fila super bagunçada na qual eu teria sido a segunda se uns mal educados não tivessem passado na frente, mas tudo bem. Tinham vários agentes, então o ritmo foi bem rapidinho.

Uma senhora me chamou, o Thiago e eu nos sentamos pra falar com ela, entregamos a cópia de pagamento da taxa, mostramos meu passaporte, o cartão de residente dele, meu CSQ, dei uma foto e ela pegou de volta minha permissão de estudos e minha permissão de trabalho. Snif, snif!!! Foi tão difícil conseguí-las, mas agora não vou precisar mais delas, né? Depois disso ela me entregou minha confirmação de residência permanente e disse que o cartão demora de 4 a 6 semanas pra chegar.

Infelizmente esse documento não serve pra viajar (apesar de haver controvérsias sobre isso) e se eu não quiser visitar a embaixada canadense em NYC é melhor eu deixar pra lá minha viagem do dia 10 de outubro pra assistir Michael W. Smith. Tudo bem, com certeza terei outras oportunidades.

É isso aí, em menos de 7 meses meu caso foi processado e finalizado. Boa sorte aos outros apadrinhados e apadrinhadas e valeu a todos que torceram por mim!

quinta-feira, 10 de setembro de 2009 - por Thiago

Gaspésie - III (Final)

Depois de uma noite bem dormina, demos uma voltinha rápida por Campbelton, que já fica fora da província do Quebec, em uma outra província chamada New Brunswick. A cidade é bem pequenininha e fica bem na divisa das províncias, mas já deu pra tirar fotos com algumas bandeirinhas de New Brunswick para constar a passagem né? Também tiramos foto com o maior salmão já pescado do mundo. Tenho que confessar que pareceu MUITO história de pescador, porque o danado do bicho era quase do tamanho de uma baleia, mas dizem que o negócio foi até comprovado pelo Guiness e tudo o mais. A gente acredita né? Fazer o que...

Logo voltamos para nossa terrinha, o Quebec, e agora já rumando para casa cruzamos a península da Gaspésie até voltarmos ao rio St. Laurent, e lá paramos em uma cidadezinha chamada Sainte-Flavie (a mesma que paramos na viagem de ida) para visitar um dos maiores jardins do Canada, os Jardins de Métis. Esse jardim foi todo construído por uma só mulher, a Srta. Elsie Redford (daí o nome do jardim em inglês ser Redford Gardens) em meados de 1926, sendo preservado até hoje. Realmente é um lugar muito bonito e bem cuidado, mas acho que todo o esplendor do lugar é reservado para aqueles que o visitam durante a primavera, pois nós pegamos as flores já querendo murchar... uma pena... mas aproveitamos bastante o passeio de qualquer forma.

Ainda em Sainte-Flavie, paramos em uma parte do rio em que os pescadores do lugar fizeram um monumento em homenagem àqueles pescadores que saem de manhã para pescar e nunca mais voltam. O monumento é na verdade um conjunto de várias estátuas rústicas que foram colocar desde a saída do rio até quase a beira da estrada, como numa marcha das almas dos pescadores de volta à terra firme. As estátuas são bem pitorescas e tiramos várias fotos com elas, pois no fundo, beeeeeem no fundo, elas eram bem simpáticas.

Mais uma pequena parada em Riviére-du-Loup para o último almoço e bora mais 4 horas de estrada até Montréal, mas sem antes passarmos por um posto na beira da estrada com o maior carro monstro que eu já vi. Além deste belo (e velho) exemplar da mania de grandeza norte-americana, ainda haviam várias réplicas de dinossauros espalhados pelo estacionamento, dando ao lugar um aspecto muito mais bizzaro do que vocês possam imaginar, mas convenhamos que o charme desses postos de beira de estrada são esses lances inusitados que a gente encontra em cada um deles né?

Resumo da ópera: a viagem superou em muito as minhas espectativas, pois eu achei que ela seria cansativa e um pouco tediosa, mas para minha grata surpresa ela não foi nem um pouco das duas. As paisagens são fantásticas, o esquema de paradas durante o trajeto funciona e, sempre, o preço desses chineses é imbatível. Já deixo o convite a todos que quiserem se juntar a nós em nossa próxima passeada: não se acanhem! O Québec tem muito a ser descoberto!

O vídeo abaixo deveria ter sido postado ontem, pois faz parte das atividades de domindo na Ile Bonaventure, mas por algum motivo obscuro eu passei batido por ele. Mas antes tarde do que nunca né? Confiram o papo de gaivota.


Salut!

quarta-feira, 9 de setembro de 2009 - por Thiago

Gaspésie - II

Domingo acordamos cedo em Gaspé, beeeeeem cedo (6:30h), tomamos um café da manhã express no Tim Hortons, tiramos algumas fotinhos à beira do golfo do St. Laurent e saímos para mais um dia de muito turismo pela Gaspésie. Já na ida para as atividades do dia passamos em frente ao lugar onde Jacques-Cartier - o cara que descobriu o Canadá - encostou seu barquinho pela primeira vez por aqui. Tenho que dizer que esse foi um momento de muita emoção, mas que passou rapidinho porque o ônibus não parou neste lugar, então foi só o tempo de tentar uma foto da janela da bumba mesmo...

Nossa primeira parada foi no Parque Forillon, que é uma grande reserva natural dentro de Gaspé. Tenho que confessar que o espanto foi muito grande quando descemos do ônibus: a paisagem neste lugar é pelo menos três níveis acima do FANTÁSTICO, com a praia (Oceano Atlântico) e um rochedo enorme (o Cap Bon-Ami) em forma de península invadindo o mar. O Sol estava dando um toque final na luminosidade da imagem, e eu tive que raciocinar uma meia dúzia de vezes até entender que eu estava realmente ali, vendo tudo aquilo com os meus próprios olhos. Tiramos muitas fotos, andamos pela costa (que é de pedra lisas, e não de areia) e aproveitamos alguns momentos únicos desse finzinho de verão onde o grande rio St. Laurent se encontra com o mar.

Ainda no Parque Forillon, visitamos o maior farol do Canadá, o Cap des Rosiers. Existem muitos faróis na região da Gaspésie, mas esse farol é o que fica mais na ponta, perto do mar, e por isso ele tinha que ser o mais imponente de todos. Eu, que nunca tinha visitado um farol nem no Brasil, fiquei bem contente de finalmente conhecer um, e tão grande assim. Tiramos várias fotos por lá e colocamos o pé na estrada, pois a próxima atração estava a duas horas de ônibus dali.

E não é que valeu muito a pena essa estrada? Já de longe o Rocher Percé já despontava como a grande atração da tarde. Ao chegarmos à cidade - Percé - almoçamos e logo pegamos o barquinho para um pequeno cruzeiro ao redor desta rocha fenomenal que se ergue imponentemente no meio do mar. E o toque final da coisa toda é ainda o grande buraco que ela possui, quase geometricamente redondo. Não existem muitas formas de se expressar a sensação de ver com os próprios olhos isso tudo. Foi muito para este coraçãozinho aqui.

Ainda no barco fizemos um tour pela Île Bonaventure, onde pude ver, além de muitas focas nadando descompromissadas pra cá e pra lá, a maior concentração de gaivotas que eu poderia imaginar na minha vida. Vocês não estão entendendo o que eu quero dizer com isso. São muuuuuuuitas gaivotas mesmo, tanto voando quando sentadas pelas encostas da ilha. De longe, parecia até que o rochedo tinha manchas brancas, que na verdade eram as milhares e milhares de gaivotas se reunindo para jogar conversa fora enquanto cuidam de seus filhotes. Desembarcamos na ilha e fizemos uma trilha de meia-hora que nos levou até o ponto mais alto do lugar, onde vimos aquela gaivotada toda reunida, ali a menos de um metro de distância da gente.

Dia acabando, voltamos para o continente e pegamos nosso ônibus rumo a New Brunswick para passar a noite. O dia foi movimentado e uma caminha era tudo que a gente precisa antes de encarar o último dia.





(continua...)

Salut!

terça-feira, 8 de setembro de 2009 - por Thiago

Gaspésie - I


View Larger Map


Feriado chegando a gente não se aguenta né? Colocamos as mochilas nas costas e saímos eu, Mirian e Nellyr, junto com a Wonder Travel, rumo a Gaspésie, no norte da província do Québec.

Saímos 6:30h da manhã sabendo que íamos encarar 10 horas de estrada. Nosso guia turístico, Duncan, chinês e o guia mais aloprado que eu já conheci, foi já mandando informações turísticas, desde Montréal, em inglês, chinês e um pouquinho de francês, e isso nos fez ter a nítida impressão que a viagem ia ser longa... muuuuuuuito longaaaa...

Mas vocês acreditam que nem foi tanto assim? Fizemos várias paradas para esticar as pernas, ir ao banheiro e comer, e isso deixou a viagem muito mais tranquila. Paramos em Rivière du loup para almoçar e logo depois paramos em Sainte-Flavie para ir ao banheiro, e foi aí que começamos a tirar as fotos, pois o rio St. Laurent lá pra cima já é bem diferente do que a gente conhece aqui em Montreal.

Continuando o caminho, passamos por Cap-Chat para visitar uma fazenda de energia eólica, mais conhecido aqui como Éoliens. A visita é guiada por um engenheiro, que naquele dia tava conseguindo ser mais biruta que o nosso guia, gritando e correndo para um lado e para o outro. Visitamos a maior turbina de energia eólica do mundo e vimos vários daqueles ventiladores gigantes que esse pessoal usa para transformar vento em energia elétrica. Muito legal mesmo a parada.

Saindo das turbinas, fomos direto para Gaspé, subindo o rio até onde ele vira mar. O hotel que ficamos hospedados também ultrapassou as espectativas, pois era muito organizado, limpo, bonito e bem equipado. Íamos precisar descansar bem de noite para aproveitar todas as emoções do domingo, o dia mais agitado da viagem.


(continua...)

Salut!

quarta-feira, 2 de setembro de 2009 - por Mirian

Trabalhando!

Sim, sim, já estou trabalhando! Obrigada a todos que torceram, comentaram, oraram e vibraram comigo pois já consegui um emprego, quer dizer dois, na verdade quase três. Calma, eu explico.

Comecei meu "treinamento" por telefone ontem pra trabalhar naquela escola em que o aluno faz tudo sozinho e só fica batendo papo por telefone com o professor. Quer dizer, vou trabalhar é na minha casa, afinal o telefone é meu e nem preciso tirar o pijama pra dar a aula. Que beleza! Por falar em telefone esse negócio já está me enchendo o saco. Ligo pra Videotron pra instaleram um telefone fixo em casa, depois descubro que posso usar o serviço de longa distância da Distributel pelo celular mesmo, aí ligo de novo pra Videotron pra cancelar, aí a secretária da escola me diz que no celular a qualidade é ruim e que eu tenho que ter um telefone fixo...enfim, uma confusão! O mais engraçado foi ir na segunda entrevista e o tiozinho mafioso dizer "Você vai ganhar $X por hora" ao que eu respondi "Mas o senhor não tinha falado que era $Y?" ele olha pra cima, faz uma cara de quem está pensando e diz "É verdade, você é a fulana do currículo assim, assim. Vai ganhar $Y mesmo" Ufa! Era só o que faltava diminuir o salário, né? Mas ainda bem que ele me deu um horário bom e organizado, nada típico de escolas de idiomas.

A outra escola treinou os professores numa sessãozinha de uma hora e meia e já me passou um aluno que vai ter aula na empresa dele duas vezes por semana. A tiazinha me ligou e perguntou quanto de experiência eu tinha, eu disse tantos anos e ela respondeu "Então você vai ganhar tanto por hora." Tá, mas cadê a explicação do plano de carreira? Cadê a tabela dos valores segundo a experiência? Não vi! Mas tudo bem, vou sair de casa, conviver com o aluno, ver que ele é de carne e osso, olhar nos olhos dele, enfim, sair do telefone e isso é mais saudável, né?

Vou numa entrevista numa terceira escola amanhã que me parece mais organizada, o cara já me explicou tudo por telefone, inclusive já definiu o salário e pareceu muito sério, vamos ver na vida real como funciona.

Percebi que no geral o pessoal aqui não liga muito pra esse negócio de treinamento, mesmo nos pagando por isso. Talvez isso afete a qualidade do trabalho, mas pelo menos não enche o saco do professor que já sabe dar aula e não precisa ficar ouvindo tudo de novo. Enquanto que no Brasil a escolinha mais fubanga de todas vai te alugar por no mínimo uma semana, por período integral sem te pagar nem transporte, nem almoço, mas pelo menos a gente aprende bastante. Cada lugar com seus prós e contras, né? Eu tô é feliz de poder começar a trabalhar em menos de um mês depois de ter recebido os documentos.

Por falar em documentos, minha ÚLTIMA etapa do processo de imigração será uma "entrevista" no dia do aniversário do meu amor (18 de setembro) onde iremos juntos mostrar os originais dos documentos pra que eu finalmente vire residente. Mais detalhes em breve.

quarta-feira, 26 de agosto de 2009 - por Mirian

Na falta de uma...duas!

Um dia depois de ter recebido minha permissão de trabalho, procurei no Google "Language schools in Montreal", entrei nos sites e comecei a enviar um monte de currículos pela internet mesmo. Algumas não tinham sites e acho que elas nem existem mais, se é que um dia existiram, pois tentei ir pessoalmente e não encontrei os endereços e os telefones nem atenderam. Sem problema, por email é mais prático mesmo.

Desesperada como só eu, já comecei a pensar em procurar empregos em qualquer coisa, lojas, lanchonetes etc. Pensei em substituir uma amiga numa loja de lingerie pois ela queria sair, mas resolveu ficar. Quase aceitei trabalhar numa lanchonete, mas achei que o valor não ia me pagar o cansaço. Pensei em procurar em lojas de roupa, mas vi uma outra amiga que está fazendo isso super estressada e resolvi esperar um tempinho.

Ontem pela manhã, enquanto pensava nas minhas estratégias pra começar a trabalhar logo, recebi uma ligação. Sim, sim, minha primeira entrevista de emprego! O senhor falou em francês e em português (vê se pode!) comigo pelo telefone e eu fui à escola ontem à tarde. A escola fica "perto" do metrô Henri-Bourassa, bem longinho aqui de casa, mas não tem problema porque as aulas acontecem por telefone! Veja só que beleza! Nunca tinha visto um dono de escola de idiomas com uma sala tão grande e bonita e com tanto estilo de mafioso! Fiquei pasma quando ele disse que conhecia duas das escolas onde eu trabalhei no Brasil e que são na verdade concorrentes dele. Ele disse que conhece muitos lugares do Brasil, falou um pouquinho de português e disse que quer estudar ainda mais. Como o inglês dele não é lá essas coisas, ele me disse que farei um teste por telefone com uma outra pessoa, pra saber se estou apta para o cargo. Imagine só, eu em Montreal ligando para um aluno de São Paulo para dar aulas de inglês. Bem engraçado! Este aqui é um slogan da escola:

Ontem mesmo recebi um segundo telefonema para fazer uma entrevistaem outra escola! Que beleza de dia, hein? Esta foi no centro da cidade, o que também não faz muita diferença visto que as aulas são nas empresas. Na verdade, a entrevista ainda vai acontecer, mas tivemos uma espécie de dinâmica de grupo, cada candidato levou uma pequena atividade de conversação. Fui a primeira a apresentar e escolhi um dos meus warm-ups preferidos: você deve conversar sem usar as palavras YES, NO, BUT e SO e suas variações, se usar, seu colega ganha um ponto.
Foi bem legal e agora estou esperando a oportunidade de fazer a entrevista individual.

De qualquer maneira, dando ou não dando certo, confirmei que quando alguém me disser que eu não posso fazer algo eu não devo ouvir!!! O que importa não ser falante nativa da língua que vou ensinar se eu tiver o conhecimento e a competência, não é mesmo?

E foi assim que tive não apenas uma, mas duas entrevistas e voltei com um sentimento muito bom pra casa. Seja o que Deus quiser!

quarta-feira, 19 de agosto de 2009 - por Thiago

Brasil relâmpago II - A Missão

Pois é minha gente, o tempo passa e esse post já é quase notícia velha, mas como antes tarde do que nunca, e também como muita gente ainda não ficou sabendo da novidade, conto-lhes tudo de uma vez.

Depois de quase um ano longe do Brasil, estive na terrinha por dois dias e meio (!!). Saí do Canadá dia 7 de agosto pela manhã às 6:15 da manhã(tive que acordar às 3 da madruga) e cheguei no Brasil no mesmo dia, umas 10 da noite. Bati na porta de casa lá pela meia-noite e fiz aquela surpresa para a minha família, que nem sonhava que eu estava a caminho.

Fiquei com a minha família querida quase todo o tempo, mas tirei um tempinho para ver a família da Mirian (que agora é minha família também). Peço desculpas a todos, da mesma forma que a Mirian o fez quando ela esteve no Brasil em março, pois com o tempo tão apertado assim não dava pra avisar todo mundo que eu estaria por aí. Espero contudo as desculpas formais de alguns poucos que disseram que iam me ver e nem deram notícias desde então... mas a vida continua né?

No domingo ainda fizemos uma festa surpresa para o resto da minha família, mas disfarçada de festa surpresa para minha irmã. Explico. Dissemos a todos que a surpresa seria para minha irmã, mas ela sabia de tudo, e como ninguém sabia que eu estava no Brasil, a surpresa acabou sendo para eles! Muitas palavras surpresas no mesmo parágrafo né? É porque foi muita surpresa mesmo :) Tios, primos, cunhados e agregados todos reunidos para colocar o papo em dia. Muito muito legal.

Na segunda-feira ainda consegui ir até a minha faculdade pegar o meu diploma (YEEEEEEES!!) e tive o [des]prazer de relembrar como é a vida cotidiana de São Paulo, com seu oceano de gente pra lá e pra cá, metrô, trem e tudo o mais. Só faltou andar de ônibus, mas para um dia só, eu dispensei sem peso na consciência hehehe.

A volta para casa, no dia 10, foi ainda mais estressante, pois realmente achei que o trânsito de São Paulo ia me fazer perder o meu avião de volta, mas graças a Deus tudo deu certo e cheguei são e salvo por aqui, já tendo que trabalhar logo em seguida.

Para mim a experiência foi fantástica. Ver mamãe e vovós, passar o dia dos pais com o meu papito, comer muita pizza e estar no junto com minha sister querida no aniversário dela (mesmo com este monte de fotos meio fora de foco) foi muito especial. Espero poder estar com todos novamente em breve, mas só Deus sabe quando uma janela vai se abrir novamente. Enquanto isso, a gente vai tentando matar a saudade via internet mesmo né?

Salut!

terça-feira, 18 de agosto de 2009 - por Mirian

A carta chegou!

Sensação indescritível!

Olho de longe as caixinhas do correio, nada novo jogado por cima, penso que o carteiro ainda não veio hoje. Olho pelo vidrinho da minha caixinha e não vejo nada. Tenho vontade de abrir todas as caixinhas dos vizinhos pra saber se por acaso o carteiro não se enganou de caixinha. Abro a minha caixa, coloco a mão e sinto uns envelopes de um tamanho familiar, olho para os envelopes de papel reciclado e vejo que se tratam realmente de correspondências do Citizenship and Immigration Canada. Dou um suspiro! Entro em casa dizendo "que a decisão seja positiva". Abro os envelopes e leio as cartas.

Uma das cartas diz que meu processo terminou, que estou dentro das exigências e que devo esperar o escritório de Montreal me chamar para obter o cartão de residente permanente, terei que mostrar os originais dos documentos e pagar mais uma taxa. Nem tudo é perfeito.

Outra traz uma permissão de trabalho temporária, válida por um ano enquanto espero pelos documentos permanentes. Finalmente!

A última era para o Thiago, mas eu abri, ooooops, ela confirma que o apadrinhamento durará 3 anos e mostra as regras que devemos seguir durante esse processo.

Não, a burocracia ainda não terminou, mas falta muito pouco e já me sinto muito aliviada! Ufa!

segunda-feira, 17 de agosto de 2009 - por Mirian

Um ano no Québec

No sábado, dia 15 de agosto completei um ano morando aqui, ainda sem ser residente. Vir como estudante de intercâmbio sabendo que iria continuar morando aqui sempre me deixou numa situação um pouco estranha. Não podia me comportar nem como quem iria embora dali um tempo, nem como quem já chegou pra ficar, foi complicado.

Lidei com a nova casa, a nova língua, o novo clima, a nova cultura e tenho certeza que continuarei assim enquanto estiver aqui, pois como já sabido por muita gente, o processo de se acostumar com um novo país é infinito, a gente nunca se sente nem daqui, nem de lá e vive feliz assim!

Agradeço a Deus pelas conquistas pessoais, pelos novos amigos, por todas as situações que estão me ensinando a viver melhor.

Feliz aniversário de chegada pra mim e que venham outros anos, para todos nós!

quinta-feira, 13 de agosto de 2009 - por Mirian

Setores de emprego promissores em Montreal

Ontem no jornal Métro tinha um artigo sobre algumas áreas de trabalho bastante promissoras em Montreal. Para ler a reportagem inteira clique aqui, ou dê apenas uma olhada na lista das profissões com perspectiva bem favorável na Ilha de Montreal (2008-2012). Aí vai:
  • agente financeiro
  • motorista de ambulância
  • audiologista e fonoaudiólogo
  • dentista
  • terapeuta ocupacional
  • higienista dental
  • enfermeiro autorizado
  • engenheiro civil
  • engenheiro aeroespacial
  • inaloterapeuta, perfucionista e tecnólogo cardiopulmonar
  • mecânico e controlador de aeronave
  • mecânico, técnico e controlador de aviação, de instrumentos e de aparelhagem de aeronave
  • médico especialista
  • clínico geral
  • optometrista
  • ferramentas - fabricação e concerto
  • pessoal de suporte em serviços de saúde
  • farmacêutico
  • fisioterapeuta
  • técnico em engenharia civil
  • tecnólogo em radiação médica
  • tecnólogo médico e assistente em anátomo-patologia
Espero que seu trabalho esteja na lista, mas se não estiver não precisa desanimar, sempre dá-se um jeito.

Conhecendo Sherbrooke

Ando falando pra vocês da minha amiga Tatiana, que veio pro Québec fazer um programa de intercâmbio como eu. Nós estudamos juntas na USP e fizemos o mesmo processo pelo CREPUQ. Através desse órgão, que tem convênio com nossa faculdade, pudemos escolher certas universidades no Québec pra vir estudar por um ou dois semestres. Eu escolhi a Université de Montréal e ela escolheu a Bishop's University, cada uma por diversos motivos.

A Tati chegou na quarta-feira passada e passou alguns dias aqui em Montreal antes de se mudar pra Sherbrooke. Nos primeiros dias só andamos, ela foi às compras pois não trouxe roupas de calor (achou que já estava super frio, vê se pode) e ajudamos minha irmã no Bla Bla Festival. Nas pequenas andadas de turista a Tati já se apaixonou pela cidade, muito fácil de convencê-la a ficar! Andamos pela Ste-Catherine, ela AMOU a biblioteca. Fomos ao Mont-Royal, ela viu os Tam-Tams, a lutinha medieval com armas de espuma, a vista lá de cima, o lago. Depois tomamos o sorvete do Havre aux Glaces no mercado Atwater que conseguiu ser melhor do que o Bilboquet, desculpem-me os fãs desse último, eu também era! Também andamos no porto e depois viemos descansar porque a Tati já estava só o pó!

Na segunda-feira fomos juntas à Sherbrooke usando o serviço Allo Stop - pegando carona e gastando bem menos do que se tivéssemos usado o ônibus normal. Chegando lá, a Tati levou duas horas pra comprar um celular (não foi culpa dela, só pra constar) e deixamos as malas na casa do meu colega Peter pra poder andar com mais tranquilidade.

O transporte em Sherbrooke não é dos melhores, mas não deixou ninguém na mão, descobri os detalhes depois de sofrer um pouquinho no site deles, que não é nada prático, infelizmente. Descobrimos que os estudantes da Université de Sherbrooke não pagam passagem, enquanto que os da Bishop's não têm a mesma sorte. Ainda bem que ela conseguiu morar perto da facu.

Vimos um apartamento, o dono era um mala-sem-alça, a Tati conversou com uma conselheira de estudantes internacionais na facu e depois saímos andando continuando a procurar casa. Depois de uma boa caminhada embaixo de sol, a Tati achou um lugar super fofinho pra morar (fotos depois porque não sei passá-las do celular pro computador) e decidiu a vida ali mesmo. Ficou super encantada com sua nova casinha!

Fomos às compras porque saco vazio não pára em pé. O shopping fechou cedo, mas o mercado estava aberto. Passamos na casa do Peter pra pegar as malas e fomos os três comemorar na nova casa comendo pizza pronta e cup noodles. Passamos algumas horas conversando, imaginem os assuntos, os três são professores de idiomas.

Tati e eu passamos o maior frio dormindo sem coberta, mas espero que à essa altura ela já tenha resolvido este problema.

Ontem fomos à facu de novo, ela ficou um tempão conversando com a conselheira e eu a esperei na biblioteca. Vim embora pra Montreal e a deixei resolvendo sua nova vida no campus. Ela está super empolgada e torcendo por um emprego, porque afinal toda a nova vida custa dinheiro, né?

Sherbrooke é uma cidade bonita, mas bem pacata. Foi muito fácil de conversar com estranhos na rua, desde os vendedores de celular, passando por brasileiros que nos viram no ônibus, uma monitora de acampamento, caixa do mercado, enfim, todos muito simpáticos! Só não sei quanta tranquilidade eu aguentaria vivendo lá, mas acho que são "férias" merecidas pra quem vem de São Paulo.

Se você tiver mais experiências ou dicas interessantes sobre essa cidade, comente. Enquanto isso, desejo sorte na nova aventura da Tati!

terça-feira, 11 de agosto de 2009 - por Mirian

Coração na mão!

Acabei de chegar de Sherbrooke (onde ajudei minha amiga Tati na procura de um apê) e vim direto ligar para o CIC e verificar o status do meu processo de imigração canadense. Queria saber porque minha permissão de trabalho temporária está demorando tanto pra chegar.

Quando vou ler o site me deparo com a boa notícia que uma decisão já foi tomada, igual aquela que o Thiago tinha mencionado antes, de que eles me emitiram uma carta ontem e devo apenas esperá-la chegar.

Ai, ai, ai, que ansiedade, qual será a tal decisão?

Esperando pelo melhor e desejando sorte a todos os cônjuges apadrinhados!

quarta-feira, 5 de agosto de 2009 - por Mirian

Bodas de Papel

Ontem comemoramos nossas Bodas de Papel - 1 ano de casamento! Um ano atrás nossa correria era cerimônia, festa, lua-de-mel, viagem pro Canadá, começar uma nova vida em todos os sentidos, mudando de estilo de vida completamente, mudando de faculdade, mudando de trabalho, ou deixando de trabalhar, mudando de casa, de país, de língua, de prioridades e de estado civil. Foi uma mudança drástica, sem tempo pra se "adaptar", um mergulho de cabeça nas novidades, a dois!

Meu amor, foi muito bom viver essa aventura ao seu lado e mesmo com as dificulades o carinho prevaleceu e Deus continua nos ajudando a vencer. Quero comemorar todas as bodas com você: algodão, trigo, flores, madeira, prata, ouro, jequitibá...todas, todas.

Aqui vai uma foto dos nossos presentes de papel:


Te amo!

sexta-feira, 24 de julho de 2009 - por Mirian

Procura-se

Procuro brasileiro ou brasileira gente boa morando em Sherbrooke para dar uma mãozinha na procura de moradia. Tenho uma amiga muuuuuuuuuuito legal e divertida que chega daqui duas semanas e vai fazer intercâmbio na Bishop's University até dezembro. Ela vai ficar alguns dias aqui em Montreal e depois vai pra Sherbrooke cuidar da vida. Alguém aí pode nos ajudar?

sexta-feira, 17 de julho de 2009 - por Thiago

Bla Bla Festival

Minha cunhada Natália está organizando uma mega-programação cultural no Plateau Mont-Royal no começo de agosto. A parada se chama Bla Bla Festival e vai contar com música, teatro, poesia, artes plásticas e outras tantas manifestações culturais.


Ter artista na família é assim: a gente sempre arranja programações altamente personalizadas.

Bora pro festival? Eu e Mirian estaremos lá!

Salut!

terça-feira, 14 de julho de 2009 - por Mirian

Reciclagem em Montreal

Se você tem interesse em ter um daqueles baldes verdes de colocar material para reciclagem consulte o site do programa Éco-quartier ou ligue Accés Montréal no 311 e procure o mais perto da sua casa. Você pode encomendar um gratuitamente.

Nesse mesmo lugar, procure o endereço do Écocentre do seu bairro, um lugar onde você deve levar o que não for nem lixo orgânico nem reciclável, como por exemplo móveis usados, resíduos perigosos, equipamentos elétricos ou de informática etc.

segunda-feira, 13 de julho de 2009 - por Mirian

Autorização de ensino

Enquanto não chegam meus documentos estou pesquisando um pouco sobre a área de educação em Québec. Se você é professor ou professora e quer trabalhar ensinando nos níveis primário e secundário, recomendo a leitura do site DFTSP (La direction de la formation et de la titularisation du personnel scolaire). Clicando em Autorisation d'enseigner você encontra informações sobre o que fazer quando você já tem uma licença de ensino obtida no Canadá, fora de Québec ou em outro país. Se você estiver interessado em conseguir a tal autorização aqui na província mesmo, você pode descobrir quais as universidades que oferecem os programas de bacharelado em ensino e quais são estes programas clicando em programmes universitaires. Como estou fugindo de criança e adolescente e não estou a fim de fazer outro bacharelado vou pesquisar sobre ensino superior nos Cégeps visto que as regras de contratação são diferentes.

Boa sorte aos professores!

segunda-feira, 6 de julho de 2009 - por Thiago

Ah, Chambly!

Desde que eu estive por aqui em 2007, meu companheiro de rotas Mario Canna já havia me dito que Chambly era O lugar a se conhecer durante o verão, e teria que ser de bicicleta. Eu posso dizer que a proposta foi quase que totalmente cumprida, já que toda a galera que foi comigo realmente estava sobre as magrelas de duas rodas, mas eu fui de patins.

Chambly fica a cerca de 30 quilômetros a sudoeste de Montreal, e fazer um passeio desse não é das coisas mais facinhas do mundo, mas a ciclovia que pegamos - La Route Verte - é fantástica, e isso contribui em muito para que não só nós tivéssemos a coragem de encarar o caminho, mas um monte de outros ciclistas que se aproveitam da bela infraestrutura para veículos verdes que o Quebec possui. Além do mais, ainda tivemos um super café da manhã na casa de Marcia e Silvio Kruger, o que deu uma bela carregada nas pilhas para todo o percurso.

Saindo da casa dos Kruger, e depois de alguns percalços por conta de uma obra que interrompia momentaneamente a ciclovia, chegamos ao Parc de la Cite, e lá encontramos Xandão e Helène, e logo depois Natalia e Jon, e de lá saímos todos juntos rumo a Chambly.

A estradinha é simplesmente formidável, com muitas árvores por todo o caminho. A grande maioria do percurso é reta também, o que torna a viagem bem menos cansativa que o habitual. Fomos seguindo cada um no seu ritmo, mas sempre fazendo algumas paradas para o pessoal descansar e tomar uma água (além de comer algumas cerejas frescas). Como saímos cedo, a ciclovia ainda estava bem vazia, o que me fez pensar em um primeiro momento que poucas pessoas se utilizavam daquele caminho. Ledo engano meu...

Chegando a Chambly, comprovei que toda a propaganda feita era a mais pura verdade e a cidade realmente parece um casinha de boneca, em todos os sentidos. Bem bonitinha, bem arrumadinha e bem pequenininha. Em um domingo de Sol como o que tivemos ontem, muitas pessoas foram visitar a cidade, e as ruas, parques e mesmo a ciclovia estavam consideravelmente cheias. Comemos um gostoso brunch em um restaurante quase à beira do lago (que demorou uns 45 minutos pra chegar, já que o pessoal dessa cidade não tem pressa pra muita coisa mesmo) e depois fomos dar um pulinho no parque do forte, que possui realmente um forte (hoje transformado em museu) que foi utilizado nas batalhas de antigamente.

Chegamos, conhecemos, comemos, demos risada, mas ainda tinha o percurso de volta, e esse foi o trecho mais complicado de todos porque o vento estava completamente contra nós, e fomos pedalando (e patinando) com o vento batendo no peito até chegarmos de volta em casa. Que canseiraaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa, mas resistimos bravamente e depois de terminar o dia, até arrisco dizer que faria novamente, caso alguém mais se cadidatasse a ir comigo.


O verão aqui no Quebec precisa ser aproveitado ao máximo, e esse passeio deixou Mirian e eu muito contentes. Espero que possamos ter outros desses antes do calor resolver voltar para o Brasil.

Salut!

sexta-feira, 3 de julho de 2009 - por Mirian

Festival de Jazz

Claro que agora já é notícia velha, uma velhícia praticamente, mas foi tão legal que merece ser lembrado. O Festival Internacional de Jazz de Montreal teve seu primeiro show da temporada, comemorando 30 anos com ninguém menos que Stevie Wonder!!! Fala sério, não é todo dia que se tem a oportunidade de assitir esse cara de graça, né?

Estávamos combinando há semanas de ir assistir, o show começava às 21h30, mas o Thiago chegou lá por volta das 17h30, quando eu cheguei pra me encontrar com ele, meia hora depois, quase não consegui chegar onde ele estava porque a muvuca estava imensa!!! Aqui o pessoal senta no chão, traz cadeiras, deficientes em cadeiras de roda e eu tropeçando em todo mundo pra chegar até ele. O lugar era ótimo, mas eu ignorei o fato de que deveria ter jantado antes de ir e passei simplesmente cerca de 12 horas sem comer, em pé e tentando curtir o show, loucura, hein? Se eu saísse pra comer ia encontrar o Thiago só em casa, então comi algumas uvas passas que estavam na bolsa só pra não desmaiar. Ufa, consegui sobreviver! Infelizmente cada parte da nossa galera chegou numa hora diferente, ninguém conseguiu ficar junto. Impossível guardar lugar num evento como esse.

Antes do show começar, eu já estava me arrependendo de ter passado pelo sufoco e não conseguir ver o palco, já que a galera tava de guarda-chuva aberto. Ainda bem que depois parou de chover e eu consegui ver o show na ponta do pé, entre os vãos das pessoas grandes. O mais importante é que o cara cantou muito, tocou muito e animou muito a galera, como esperado. A parte triste foi o medley do Michael Jackson, acho que o Sr. Wonder derramou umas lagriminhas, coitado!

No comecinho do show a galera ainda não estava aquecida e assistia ao show como a uma partida de basebol, ou sei lá do quê, todo mundo parado. No final, eu já estava passando mal de fome, mas aí a galera começou a animar e a dançar de verdade. Depois do show houve fogos e a gente aproveitou pra entrar no metrô enquanto o pessoal assitia tudo, não adiantou muito. Estava lotado e decidimos andar pra pegar o metrô em outra estação.

Infelizmente não pudemos ver nenhuma celebração do Dia do Canadá ontem pois eram as últimas horas da Gaby e ficamos com ela até à despedida, que foi triste, mas esperamos que ela volte logo. Além disso minha irmã foi atropelada por um brasileiro barbeiro quando estava na bike vindo aqui pra casa e fomos visitá-la. Graças a Deus ela está bem, mas o susto foi horrível! Sr. Braço, se estiver lendo este post favor refazer suas aulas de condução porque dirigir sem prestar atenção nas ciclovias é CRIME!



É isso aí, gente! Amanhã colocaremos um vídeo aqui. Aproveitem o festival!

segunda-feira, 29 de junho de 2009 - por Thiago

Zidane em Montreal

Tem coisas na vida que a gente faz, mas não entende muito bem o porquê. Zinedine Zidane, nosso carracasco de duas Copas do Mundo, veio aqui pra Montreal em uma partida beneficente para a Unicef, e eu corri para comprar os ingressos para assistí-lo junto com a galera. Até aí tudo bem, ainda mais porque o domingo estava lindo, com muito Sol e calor (que demais esse calor aqui!!) e o dia não podia ser mais propício para uma bela partida de futebol. O estádio Molson (de futebol americano, como vocês podem notar pela foto) estava cheio de gente com camisetas majoritariamente do Real Madrid, da França e da Argélia.

- ARGÉLIA??????

É isso mesmo galera. O cara é nascido na França, mas seus pais são argelinos e isso é o maior orgulho que aquele país africano tem em toda a sua história. A comunidade argelina em Montreal compareceu em peso com bandeiras nacionais e homenagens ao ídolo. Agora, o sentimento de euforia do estádio quando o cara entrou em campo, em mim e no resto da brasileirada que lá estava transformou-se em quase sentimento de desespero.

Foi ele aparecer no campo que aquele filmezinho com as duas derrotas começou a passar pela minha cabeça, e eu fiquei um bom tempo me perguntando o que eu estava fazendo ali, aplaudindo um dos maiores estraga-prazeres da felicidade brasileira. Esse sentimento continuou forte mesmo depois que o jogo começou, pois a torcida só faltava se jogar dentro do estádio a cada vez que Zizou encostava na bola.

Para piorar ainda mais a situação (como se isso fosse possível), o Brasil estava jogando e perdendo dos Estados Unidos na Copa das Confederações, e o sentimento de que eu deveria estar lá em casa, assistindo ao jogo, ao invés de ver aquele cretino, miserável e disgrenhento (para não descer muito o nível) o craque francês debaixo daquele Sol todo estava chegando no seu máximo.

Mas o meu Brasil não me deixou na mão dessa vez, e quando ficamos sabendo que a seleção tinha virado o jogo (pois estávamos iphonando a partida), fiquei muito mais aliviado e comecei até a torcer para o Zidane acertar uns dribles em campo, pois francês careca nenhum ia tirar a minha alegria daquele momento em diante.

Mas não é que o danado joga um bolão? Tudo bem que o time adversário era a equipe da polícia de Montreal, que como vocês podem imaginar não é muito craque de bola, mas mesmo assim as firulas e os passes do francês foram realmente de dar gosto de se ver. No final do jogo ainda tivemos os clássicos invasores de campo tentando abraçar o ídolo, que depois foram ovacionados pela turba enlouquecida.

Final de jogo, 10 x 0 para o time do Zizou, saímos felizes e terminamos a tade dando uma passada básica no Boustan para recarregar as baterias (e o estômago) porque ninguém é de ferro né? Quem sabe, se me der a louca novamente, eu entro em um estádio para ver alguém tão mal visto pela sociedade brasileira. Câline...

Salut!

quinta-feira, 25 de junho de 2009 - por Thiago

Dia do Quebec - um dia cheio

A maior festa daqui do Quebec rolou ontem, dia de São João Batista. A festa leva o nome do santo (La fête de St. Jean Baptiste), mas como aqui no Quebec o povo deixou de ser católico faz tempo, a festa fica mais conhecida como La Fête du Québec, ou O Dia do Québec. Esse dia é o dia de mostrar o orgulho de pertencer ao Quebec, com todo o patriotismo e nacionalismo que isso traz consigo.

A festa pra gente começou bem cedo, pois tínhamos que deixar a casa aceitavelmente arrumada para receber os amigos que viriam tomar um lanche com a gente. Depois de duas horas, missão cumprida e ainda deu tempo pra tomar um sol no parque. Vale dizer que ontem a temperatura estava na casa dos 32ºC (com sensação de 37ºC), ou seja, o Sol tava forte mesmo, e a Mirian conseguiu as suas habituais queimaduras pelo corpo. Tadinha... :-(

Muito bem. O pessoal veio, comemos cachorro-quente paulixxxxxta (com muito purê de batata) até dizer chega, tomamos sorvete e fomos para o parque ver o show. Até então eu estava achando que já era o show de fato, porque a música ao vivo já estava rolando e a galera já tava toda pulando com as músicas, mas fui perceber umas duas horas e meia depois que aquilo era só o ensaio para o show que começaria às 21h. Marinheiro de primeira viagem é assim né?

Voltando para casa (para descansar para o show da noite) de repente ouvimos alguém falar: "Vocês não são aqueles brasileiros que tem um blog? Eu sou fã de vocês!!". E foi com muito prazer que conhemos a Paula, esposa do Vinicius e editora do Montreal Carioca, que é simpatissíssima e escreve muito bem (sem puxar o saco nem nada). Conversamos um pouco e ficamos muito felizes orgulhosos em saber que a gente está ficando famoso por aí, com gente legal reconhecendo a gente na rua e tudo o mais. É sempre muito bom fazer novos amigos, ainda mais de maneira surpresística como essa, não acham?

Voltamos para o show a noite e não é que esse povo daqui sabe fazer uma festinha de vez em quando? A estrutura do show estava de tirar o chapéu e grandes nomes da música do Quebec (Eric Lapointe, Marie Mai, Porn Flakes, Zebulon, Ariane Moffatt e outros) estavam presentes animando o show. Eu, Mirian e mais alguns amigos (Gaby Yano e Thiago Spalato) dançamos e cantamos até tarde da noite. Bem legal!

A parte ruim do dia começou no outro dia, por assim dizer. Voltamos para casa e fomos nos deitar, já pra lá de meia-noite. Um tempo depois eu acordo assustado com um barulho no meu balcão na minha sacada e vocês não vão acreditar se eu disser que era um cara roubando a minha bicicleta, né? Então não vou dizer, mas foi. E o pior é que ele fez tudo muito rápido e agora a nossa segunda bicicleta entrou para a estatística das bicicletas roubadas do Quebec, assim como a primeira.

Resultado final do dia:
muita festa, muitos amigos (antigos e novos), muita música, muita dança e a certeza de que aqui no Quebec, não se pode duvidar dos ladrões de galinha. Eu sou sempre muito otimista e diria que o saldo, apesar de tudo, foi positivo. Vamos aprendendo a cada dia para termos uma Fête du Québec cada vez melhor.

Salut!

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails